No Círculo

quinta-feira

Mudanças Express


Para quem ainda não sabe, sou Pedagoga, conheço o lado A e B da Educação Infantil e de suas instituições sejam elas públicas ou particulares; mas desta vez, posto sobre a visão da Pedagoga e da Mãe aflita.

Meu drama começou efetivamente essa semana, pois semana que vem eu volto ao trabalho. Na minha mente já estava tudo acertado para a minha volta e a tranquilidade do Arthur; já estou fazendo a adaptação do menino com a minha ausência matutina em casa, ele ficaria com a empregada e eu calma no serviço, porém, tudo mudou.

Já havia conversado com a empregada que a partir do nascimento do Arthur, suas faltas não poderiam mais ocorrer, não poderia mais dar ao luxo dela compensar a falta em outro dia da semana e seu horário de serviço mudaria, sua entrada seria às 6:30 hs, assim ela chegaria em casa antes da nossa saída pro trabalho, ela cuidaria do menino pela manhã e daria conta da casa na parte da tarde. Após as devidas conversas, ficou tudo muito bem acertado, sem problemas, ela estava chegando no horário e eu e Arthur nos adaptando às mudanças matutinas.

Pois bem, mas nem tudo ficou flores, a empregada começou a faltar e eu fiquei desesperada, pois como iria trabalhar se a empregada faltasse? Imagina a cara da minha chefa, comigo ligando pela manhã e dizendo: "Não vou trabalhar, pois a empregada faltou e não tenho com quem deixar o filho." Com certeza vou criar problemas para mim mesma...

Passei um dia inteiro queimando neurônios afim de encontrar uma solução, pq a única saída seria colocar o Arthur numa creche, ok, mas como pagar? Creche particular não é barata e colocar mais uma conta é estourar o orçamento doméstico.

Depois de muito pensar, conversei de noite com o marido. A idéia é colocar o Arthur na creche, não ter mais a empregada mensalista e ver com ela se ela aceita ser novamente diarista, vir na sexta para limpar a casa e na segunda para passar as roupas.

E novamente a mulher é a sacrificada da vez, sim, pq vai sobrar para mim a casa, não é? O marido trabalha o dia inteiro, eu só pela manhã, então cozinhar, colocar a roupa para lavar, cuidar do filho, cuidar da casa, sobrou para mim.... Estou esperando a empregada aparecer, para lhe dar a nova proposta, vamos ver que dia vem.
 

Fui ontem a noite na escola nova do Arthur fazer a matrícula, escola pequena, de bairro e praticamente do lado de onde eu trabalho.

Tudo bem que não é uma escola do nível das particulares na qual já trabalhei, mas ela tem seu encanto por ser pequenina e acolhedora, mostrando que por ter poucas crianças, Arthur será melhor supervisionado; lógico que vi coisas que talvez outras mães não vejam, dei toques sobre isso para a Diretora da escola, uma mulher muito simpática e atenciosa. Perguntei sobre o lado Pedagógico, sobre a rotina do Berçário, alimentação, higiene e muitas outras coisas. Como fui à noite, não vi o corre-corre de alunos e funcionários, mas fiquei de levar o Arthur pela manhã e lógico olharei as coisas com uma visão crítica. 

Hoje de manhã, já levantei cedo para me adequar a nova rotina, a de alimentar e arrumar Arthur antes de nos prepararmos para sair e ver se o tempo dá; deu! 

Na escola, cheguei cedo, como normalmente será o meu horário de deixá-lo antes de ir para o CMEI. A outra vantagem de lá é que conheço uma parte dos funcionários, pessoas que trabalharam/estagiaram na Unidade de Ensino na qual sou Pedagoga, inclusive uma das pessoas do Berçário era estágiária minha no CMEI, pessoa na qual conheço sua real dedicação e cuidados; ponto positivo para mim e para o Arthur, pois pedi um cuidado especial com a adaptação do meu filhote, rs. 

Fiquei um tempo na escola, vendo a entrada das crianças, o trabalho dos funcionários e lógico, vendo o Arthur de uma longa distância. Outra grande vantagem dessa escola é que ela possui vídeo monitoramento, assim posso dar minhas olhadelas ao vivo no Tutu e ficar tranquila.

Em casa, com ela vazia e calma, dei conta de várias coisas pendentes, inclusive esse texto.  

Agora, mais calma, é esperar pelo retorno da cria e saber como foi o dia dele, pelo visto ele está se adaptando bem, caiu no sono que foi uma beleza, rs. 

E a Mãe e a Pedagoga aqui, essas duas pessoas numa só, está mais tranquila, torcendo pelo melhor e com o coração mais leve. Estou achando interessante a coisa de levar o filho na escola, ver que ele está crescendo e se adaptando ao mundo, as mudanças e claro, deixar ele mais solto, livre, não tão grudado aos pais, mas sem se distanciar demais deles; enfim, preparando o filho para a "independência dependente" que a vida aos poucos vai lhe impondo. 

E vocês, como se sentiram ao levar a cria na escola pela primeira vez????

Beijocas Enluaradas,
Kytanna

2 comentários:

Luciana Onofre disse...

Eu penso que quando sentimos aquela sensação "fiz a escolha certa" tudo sairá bem.

Qdo os levamos por vez primeira foi zen da nossa parte, como sabes os criamos para o mundo desde que os pari =)

Alícia deu trabalho, pois não queria ficar na escola de maneira alguma.
Andrés ao contrário ficou como se sempre tivesse ido!

tudo vai dar certo.

Sobre as tarefas em casa, eu prego o sgte: trabalho em equipe! Mesmo que o pai passe o dia fora, a casa tmb é dele, logo lhe cabe cuidados tmb!

Coloquei em prática essa premissa e nosso coletivo tá indo bem =)

Ghi disse...

Eu fiquei vazia. Mas como tinha feito 3 dias de adaptação com ele no berçário, já conhecia tudo lá e isso me deixou tranquila. Nessa idade eles se adaptam super bem, a mãe é que é o problema! RS
O Othávio adora a companhia de outras crianças, para ele foi ótimo poder brincar.
Bom, mudei de emprego, estou indo para uma escola particular que tem berçário e o Othávio vai ficar na mesma escola que eu! Começamos amanhã, nova adaptação para os dois.

Postar um comentário

Entre em nosso Círculo!

 

Blog Template by BloggerCandy.com