No Círculo

sexta-feira

Mamães Matrízticas





Um pequeno projeto, sonho, para integrar o Círculo do bem viver, bem criar e cuidar a mamães que partilham um modo de entender ao mundo mais sensível, mais humano...

Desejamos que você faça parte, ecoe junto às nossas vozes. 

Sabemos que é mediante o coletivo circular que a sabedoria se faz imensa, e queremos muito aprender junto a outras mães, refazer e criar trilhas por onde os pés das nossas crias possam passear com mais leveza!


Os convidamos a entrar nesta Roda e Circular: Mamães Matrízticas


Nessa página há  indicadores de como você faz parte da nossa ciranda, do nosso círculo.

Visando aprender e compartilhar ainda mais criamos um grupo fechado [afim de preservar as particularidades de cada um] no Facebook, com o mesmo nome Mamães Matrízticas. Fique à vontade para se integrar a ele.


Kytanna  e Lú
quinta-feira

Anulando Feitiços Negativos




Tome um banho de arruda, de alecrim e jogue pimenta malagueta [fresca] em volta da casa. Pode também tomar um bom banho de flores de mimosa, ou de rosas brancas e guiné, mas não dispense a pimenta. O principal objetivo das flores é o de despertar aquilo que há de melhor em nós. E jogue ao redor da sua morada [na área externa/ extra muros] enxofre em pó, a modo de "escudo".


quarta-feira

Marmita? Não! Bento!

Sabe aquela comidinha que viaja junto quando não há tempo para ir e vir de casa em horário de refeições? Pois bem aquele recipiente que pode ser um verdadeiro tupperware ou um depósito de plástico qualquer, pode ser, vir a ser algo lúdico, colorido, chamativo e delicioso!

Esse objeto lindo, que incita a fome longe de casa, é chamado mundo afora de Bento, e eu queria faz tempos falar dele.

Onde nasceu e possui força total é o Japão. Dali se expandiu o uso e gosto via net, viagens, blogs, para outros cantos do planeta.

Veja esta foto e me diga se não dá vontade de provar cada coisinha ali exposta:




Do Bento-logy

Do Bento - logy





A criatividade na elaboração dos Bentos deve correr solta, soltérrima! E para aguçá-la há todo um instrumental como forminhas, cortadores, embalagens lindas e com compartimentos jamais vistos... Algo de encher os olhos mesmo.


Via Aicha


Penso que isto é para as mamães que objetivam criar hábitos saudáveis em casa uma excelente ferramenta. O hábito é isso apenas: hábito.
Se montamos lindos pratos/bentos incluindo neles frutas frescas, legumes, grãos, tudo com "cara linda", o hábito surge e a cria passa a encarar a ingesta de coisinhas assim como algo mais do que normal, e transformado em momento lúdico, alegre, de deleite para a boca e os olhos.

Duvido que alguém [grande ou pequeno] se impeça de consumir folhas verdes e vagem servidos assim:


via Bento Zen 

No Brasil não há o costume de montar lancheiras com refeições típicas da hora do almoço para crianças, mas é algo que pode ser mudado, ou quiçá implementado quando a cria passa jornada completa em creches ou escolas...

Por outro lado quando sabemos que o dia deixará a família longe de casa, podemos dispor de alimentos verdes, orgânicos, saudáveis em lugar de salgadinhos prontos permeados e saturados de corantes.

Suponho que no Sul ou Sudeste do país hajam mamães que já preparam lindos Bentos! Imagino que haja até oferta de cursos para sua montagem...

Mas creio que para aquelas onde ainda não há, o que vale é o bom senso, a criatividade, um conhecer mais acurado sobre nutrientes e alimentos sadios.

Vale um bom mix de alimentos crus ou cozidos, assados em vez de fritos. Doces e salgados. Um equilíbrio com cores e formas. Valendo guiar-se pela safra da região. Usufruindo o que cada pedacinho deste imenso país produz!



Até Bentos Bruxos podem ser criados!!!


O segredo é inserir na alimentação da nossa cria desde "sempre" legumes, frutas, de maneira a que não haja alguma brecha para dizer: não quero, nunca provei... Que é frase bem típica em boquinhas pequenas!

Blogs de Gastronomia e Culinária orgânica e sadia há muitos, e assim se torna mais fácil pegar dicas e receitas, assim como encarar pratos diferentes com olhos mais tolerantes.


Grata!




terça-feira

Selo, e 7 blogs/14 blogs!




Eu vou mudar um pouco a dinâmica e citar 7 blogs que retratam meus gostos/identificações.

Assim serão não 7 mas sim 14 blogs, pois esta casa é de duas, Ky e Lú, as Bruxas Donas de Casa e Mamães!

O selo me foi enviado pelo Chá das 5 à meia-noite da Lívia, lá do Ceará!

Ou seja, espere nosso leitor mais 7 indicações logo =)

Qual o parâmetro para nossas citações? O conceito do Selo: Blogs Versáteis, isto dentro do que casa com o perfil do nosso blog aqui!

Luciana:


  1. Pacha Mama
  2. The Hoodoo Shop Blog
  3. Taranta da Hera
  4. Tarot, Leitura e Escrita
  5. PriS
  6. Crianças Pagãs
  7. Chá e Especiarias 


Em breve os blogs que fazem a cabeça da Kytanna!

Eis os blogs/sites que curto, pq tive que mudar algumas opções, já que eram as mesmas da Lú, rs:

1. Palavras Femininas

2. Canto do Feng Shui

3. Mulher Verde

4. Casa de Designer

5. Espaco pra Cachorro

6. Mamae Testou

7. Lar com Amor


Gratas!

Lú e Ky
sábado

Mudanças da maternidade


Dizem que a gravidez muda muita coisa na gente, sempre achei isso uma balela, desculpa de gente que gosta de aparecer ou que usou isso como pretexto para certas mudanças sociais estranhas.

Mas estava enganada, redondamente enganada por sinal.

Sim, algumas coisas mudaram em mim, mudaram drasticamente, a principal: sensibilidade.

Estou muito mais sensível, na verdade me emocionando mais com as coisas ao redor, talvez pq o olhar mudou nesse período...

Percebo que meu olhar mudou para certas atitudes, certos posicionamentos, certas circunstâncias, certas energias, certas presenças, certas crenças.

Não estou virando uma bobona ou manteiga derretida, longe disso, rs; mas é inegável a mudança, como se eu estivesse mais alerta para determinadas coisas e sim, mais emocionada para outras.

Já me peguei com lágrimas nos olhos em situações que antes nem me despertariam atenção, e ao contrário de antigamente, são lágrimas que não tive vergonha em demonstrar.

Como em tudo na vida, podemos mudar um dia de opinião, não é?

Hoje falo com orgulho que a maternidade muda muita coisa na vida, mudou na minha e estou bastante feliz com isso!


Beijocas Enluaradas,
Kytanna
quinta-feira

Sugestões para Crianças Helenistas

A pedidos nossos, em particular do meu filho Andrés Felipe [filho de Zeus, irmão de Apollo] e da minha filha Alicia María [filha de Afrodita], Petraios, meu irmão de caminhos, sanou essa necessidade dos meus por ritos para crianças.

Leia aqui no Ta-Hiera.

Eis um desenho do Andrés, sua versão de Zeus:


Zeus por Andrés Felipe aos 5 anos [2008]



Uma "deusinha" feita por Alícia, sua versão de Afrodita:


Afrodita por Alícia aos 8 anos [2008]


Posso dizer quanto fiquei grata? Imensamente!


domingo

Harmonia







Princípios de harmonia para consigo mesmo

Pureza


1. Mantenho a pureza do meu corpo, inclusive selecionando os alimentos que como?
2. Procuro não deixar que minha mente polua-se com pensamentos negativos ou emoções negativas como:
raiva, inveja, cobiça, etc?
3. A limpeza e ordem do ambiente em que vivo refletem a disciplina e conduta mental?
4. Tento não deixar minha mente degradar-se ou perturbar-se?

Equilíbrio Mental


1. Procuro manter minha mente num estado de perpetua paz e, mesmo perturbado ou numa situação
constrangedora, eu raramente me aborreço?
2. Quando é necessário retificar erros ou agravos sempre mantenho minha mente equilibrada?
3. Nada é rotina ou chato para mim, vivo todos os dias com prazer?
4. Sinto-me em casa e tranqüilo em qualquer lugar?

Serviço desinteressado


1. Tento atender as necessidades de outras pessoas fisicamente, mentalmente e espiritualmente, mesmo
através de meus proprios sofrimentos e privações?
2. Posso dar aos outros sem esperar nada em troca?
3. Faço uso de discernimento quando sirvo aos outros, assim meu serviço rende o máximo de benefícios?
4. Sinto-me feliz pelas oportunidades de servir aos outros e tento ver aqueles à quem sirvo como
expressão da Consciência Infinita?

Estudos espirituais


1. Tento ler temas elevados diariamente?
2. Quando leio, tento compreender o verdadeiro significado dos temas espirituais?
3. Não me engano ou confundo com dogmas irracionais?
4. Tento interiorizar as idéias elevadas que leio e aplico-as em minha vida diária?

Meditação


1. Meditação é a parte mais importante do meu dia?
2. A meta da minha vida é a auto-realização e tento dirigir meus pensamentos e ações para esta meta?
3. Minha satisfação maior vem de dentro de mim?
4. Faço um esforço sincero e contínuo para reunir toda a energia difusa da minha mente e focalizar
na consciência interna?

(anandamarga.org.br)

Colhido no Facebook

Lú e Ky

quinta-feira

A educação na qual apostamos




Sem os pontos 9, 10,11 e 13, que via de regra caminham de mãos dadas, o ensino no qual apostamos jamais acontece, é lamentável que os demais pontos sempre sejam enaltecidos e esses [essenciais] deixados como algo complementar, ou apenas por conta e risco da família...

O Espiritual é sempre Transcendental, sem incentivo para uma vivência e partilha da espiritualidade particular de cada criança, a limitação, omissão, silêncio se impõem, e ai entra a intolerância e falta de respeito para com as diferenças de credos.
Havendo espaço para manifestar fé e crença o intuitivo se faz natural, a energia da criança como ser pleno de liberdade e prazer para com seu fazer sagrado se expande, e é alimentada.

Como consequência o emocional é pautado pelo equilíbrio. Um equilíbrio em todas as esferas, pois dentro do nosso modo de vida e fazer sagrado, é a visão holística a que permeia esse fazer, mas não havendo essa aceitação dentro da escola, nosso fazer e construir da criança, da nossa criança morre ou cessa na porta da escola.

E que melhor ambiente para a criatividade livre e fértil do que uma escola que respeita e compreende a dimensão particular religiosa de cada aluno seu?


Leia aqui no site do Blog Alternativo sobre outros olhares para com a educação.

Garantimos que será uma leitura profícua!


Lú e Ky
quarta-feira

Eu viro sim e vou vivendo....



Pois é, sou mãe de primeira viagem, isso todos sabem. Sou educadora, isso tb todos sabem. Mas só pq tenho experiência na segunda parte não significa que isso interfira na primeira, entende?

Essa semana estava conversando com o maridão, sobre as novas descobertas do filhão e que ele aprendeu a ficar de bruços, sozinho.

É bonitinho ver o moleque sorrir, virar de lado, depois de bruços, se levantar e achar isso o máximo, como um grande feito da parte dele (e é, rs). O lance é que aprender a virar, não significa necessariamente saber desvirar, compreendem?

Arthur vira, ri, tenta se locomover, a cabeça pesa, cai, ele ri, levanta de novo e fica nisso por um tempo relativamente longo; ok, eu sei, é uma coisa totalmente normal e esperado pra idade dele (4 meses), mas quando ele cansa, ai minha nossa senhora divina, ele abre o berreiro.

Ele chora pelo fato de querer desvirar e não conseguir, resumindo: não podemos mais deixar o menino sozinho, nem na nossa cama. Agora ele só pode ficar no bb conforto, no carrinho ou no berço, com gente perto pq ele vira até dormindo.

E essa nova fase acaba com meus poucos momentos de sossego, rs, fico de ouvido ligado para tentar descobrir quando ele vira no berço, para obviamente desvirá-lo enquanto dorme. Já acordado são outros quinhentos, ele vira, eu ouço e fico lá com ele, olhando, rindo, babando e dando a devida assistência quando ele cansa.

A mãe de primeira viagem é boba, eu sei, mas vou vivendo e aprendendo....

Mas sou mãe de primeira viagem, não bruxa de primeira viagem...

Arthur estava tendo noites inquietas e escutei que por ele não ser batizado, os pagãozinhos vem atentar ele à noite (O.o).Tive que dizer para a pessoa que eu era pagã, que ele não seria batizado na religião dela e sim, que meu filho já havia sido batizado na tradição de nossa família.

O que fiz? Dei uma boa conversada com os protetores dele no quarto e pendurei alho no berço; as noites de sono voltaram a ser tranquilas e eu posso dormir despreocupada a noite toda novamente. \o/


Beijocas Enluaradas,
Kytanna
segunda-feira

Luciana e Cria







Para saber mais sobre minha cria clike aqui, onde a escrita, antes do nosso Caldeirões, se fez sobre elas ;)


Paella Casera






Paella da Mariscos. Fotos por Luciana Onofre, 11/04/11


Feita a 4 mãos masculinas!
Andrés Felipe e seu papai ontem nos presentearam com este prato delicioso típico da cozinha Española.
Somos fãs confesos de qualquer variante da Paella.
Na falta da "paellera" usamos nossa "sartén" gourmet italiana, que soube cumprir a contento sua função.
A receita você encontra aqui.

Vejamos agora o que há de mágico neste prato:


O açafrão, tempero do Sol,  atiça o amor, a paixão, esquenta coração e corpo.
O arroz chama pela prosperidade, pela fartura!
Os mariscos, como as almeijõas, tendem a tornar beijos e abraços mais necessitados, mais amplos, mais longos ;)
O azeite de oliva oferece sua proteção e saúde sempre.


domingo

Uma Deusa para Duas Casas



Yemayá Yemmu
 
 
Uma deidade em comum, entre nossas casas, Aquela que nutre em abundância, um Mãe farta em bondades. Mãe valente, imperiosa, atenta a tudo, e temos ambas por Ela respeito e amor.

 
Luciana e Kytanna





sábado

Escolas e escolas






Fotos em Fevereiro de 2011 por Luciana Onofre





Você sabe quão complexo é para um adulto fazer entender aos outros que sua crença não é nenhuma daquelas que são padrão.
Imagine como é isso mesmo para uma criança que possui outros Deuses para si...
Meus filhos mudaram de escola, a antiga [da qual eu muito me queixei] fechou. E lá fomos nós em busca de alguma que compreendera em si tudo o que nós dois queríamos e esperamos de um espaço que acolhe a cria por boa parte do tempo dos seus dias.

A escolhida foi o Colégio Dom Bosco [não é escola exclusivamente católica, o nome pode levar a crer que sim].

É a melhor escola da cidade, minha mãe já lecionou lá, meu sobrinho estuda ali, as filhas de um casal querido e amigo também estão ali, e todos felizes.

A nossa escolha do ponto de vista qualidade foi excelente, do ponto de vista respeito e tolerância por credos religiosos foi melhor ainda!

Andrés Felipe [7 anos] se ressentia na antiga escola, bastante pois os amiguinhos sempre lhe diziam que as coisas e histórias que ele contava eram "mentiras", que seus Deuses não eram verdadeiros, que Bruxas não existimos.

Hoje bem cedo, ele ainda na cama e eu me arrumando para sair e dar aula, ele me disse feliz, muito feliz "mamãe estou feliz, nesta escola respeitam meus Deuses".
Lhe perguntei como sabia isso, ele me explicou que estão estudando seus Deuses [a pauta é a Grécia Clássica] e que ele lá relatou que Aquele Deus citado, é seu Deus [Zeus], que depois ainda contou sobre a Deusa da tia [minha irmã] e que os coleguinhas tinham ficado encantados em saber das flechas que Ela carrega, e da luz da Lua que ele disse era dessa deidade [a Deusa é Ártemis]...

Ver a sua felicidade, saber que seus relatos tiveram acolhida, que foram respeitados foi algo que me preencheu de paz, amor e felicidade, aquela felicidade límpida, repousante e que me fez encarar sair de casa baixo uma chuva chata, vendo tudo ensolarado!

Há escolas e escolas!


Luciana
sexta-feira

Lilith em Peixes

 
 
E para finalizar meu dia, um teste que me agradou muito pelo seu resultado:

Nesse signo de água, associado ao mundo das emoções, vasto como o oceano, a presença da Lua Negra confere a você ainda mais profundidade de sentimentos, além de talento artístico e sensibilidade à flor da pele. Na intimidade, você toma para si as dores e alegrias daqueles com quem convive. Na vida prática, evite que essa compreensão das emoções mais sutis o torne uma pessoa confusa e distraída. Sua sexualidade é contida, mas você possui uma vibração misteriosa e indecifrável que atrai fortemente os outros. E também costuma se sentir enfeitiçado por pessoas enigmáticas como você.


Onde saber sobre Lilith e você? Aqui!


Luciana

Seres-Amor





Outro dia estávamos eu e meu marido na fila do supermercado à noite, e como sempre fazemos sem planejamento ou montagem de cena, trocamos beijos, abraços e afagos entre uma conversa e outra, e assim fazemos não somente lá, mas em todo lugar. E nos senti observados. Por que geralmente ao ser observados, temos essa sensação. E busquei com a vista quem era.

Era uma menina pequena, de uns 5 ou 6 anos, agarrada à perna da mãe. A mãe com cara séria e fechada e ela com os olhos arregalados me fitando. Demos olho no olho, eu sorri, por que gosto de sorrir com crianças [coisa que já passei a regular, por que notei que muitas mães não gostam dessa simpatia].

Ela se encolheu toda e ficou detrás da mãe. Nós continuamos lá na infinita fila noturna, e ela colocava a cabecinha pra fora de vez em quando, eu passei a apenas olhar pelo canto do olho, por que a senti tímida...

Mas notamos eu e ele, que aquela cena para ela era algo fora do comum, inusitada, pela reação de embasbacamento, pela surpresa no olhar, pela curiosidade... Ao ir para casa no carro, conversamos sobre isso, sobre como carinho, demonstrar carinho é raro, e mais raro para as crianças ver adultos manifestando isto, em público, sem conotações pesadas, claro!

Mas  sim é rara peça no mercado humano demonstrar o que se sente, a necessidade do toque, do amor, do beijo, do abraço.

Creio que falta muito, muito mesmo a manifestação de amor, de carinho, o toque descompromissado, aquele afago natural. A liberdade de sentir o outro.
Nesse distanciamento físico, logo emocional, se criam as lacunas, os vazios, as ilhas.
Somos seres sociais, necessitados de contato, de afeto, mas parece que desejamos inconscientemente nos tornar mecanizados, secos, frios.

Sendo assim a geração que estamos pondo no mundo, se mostra surpresa e assustada ao ver beijos, sorrisos entre "gente grande".

Afagar, acariciar, beijar também foi classificado como coisa do género feminino! Como se o homem estivera imune ao amor... Meninas podem, meninos não por que deixam de ser meninos. Triste mas é assim o pensamento impregnado mundo afora!

E ao crescer vamos podando a nossa imensa capacidade de doar carinho, física e emocionalmente, por que também caímos nessa armadilha da guerra dos géneros e do preconceito, onde abraçar e beijar efusivamente alguém do mesmo sexo indica que você não tem tanta certeza da sua opção sexual.
Isto para mim é por demais patético.

Quiçá se nossos rebentos presenciassem mais dentro e fora de casa beijos e abraços, poderíamos estar criando uma nova geração de seres-amor, de seres-paz, de seres felizes!

Você já abraçou ou beijou alguém hoje?

Beije! Abrace!

Com amor,


Luciana Onofre

Credo familiar



Esse é uma juntão de dois textos "antigos" que postei no Mammys Blog e no meu blog pessoal, retratando as mudanças que o Arthur trouxe à minha vida, reposto esse texto nesse novo espaço com algumas adaptações, pois meu filho já cresceu e claro mudanças ocorreram.



Nessa nova onda que se inicia em minha vida, o resgate de coisas antigas se faz necessária; educação, amor, magia, religião, amizades, essas precisam novamente de manifestação diária, zelo e compaixão.



Sem falar no quesito maternidade e suas descobertas, tantas coisas pra relatar, tantas dúvidas pra tirar, pois aposto que com o filho que tenho, certas descobertas espirituais e energéticas precisam ser contadas, para comprovar a mim mesma que nós, os pais, não somos totalmente loucos, rs.



Desde o nascimento de meu filho, muitas coisas mudaram em minha vida, minha alma, meu corpo e minha mente.



Idéias, sugestões e decisões permearam meu raciocínio; algumas já sendo colocadas em prática, mesmo que isso me doa no início.



E agora, com o Arthur tendo 2 meses (já estamos no 4º mês), o marido voltando para o trabalho (já voltou), tenho a certeza que as coisas ficarão, a cada dia que passa, mais calmas (nem tanto assim, rs).



Com essa "calmaria" a vontade de escrever tem se manifestado cada vez mais forte, reabrir um blog foi uma idéia antiga que agora toma forma (falo do meu blog pessoal).



Nas mudanças necessárias e urgentes que preciso fazer, a prioritária tem a ver com o meu credo, minha religião e meu modo de ver o mundo; e também com as coisas que meu marido acredita.



Nesses anos todos, onde abracei o paganismo e nele aprendi muitas coisas maravilhosas, mudei e remudei minhas práticas e meus credos. Saí de um mundo que considerava só meu e entrei num mundo onde dividi e ritualizei com outras pessoas; foi um momento muito bom, aprendi coisas importantes, criei amizades maravilhosas, convivi com colegas interessantes e amadureci pensamentos. Só que também aprendi (as duras penas) que esse mundo coletivo, de Coven, não serve pra mim; ritualizar as vezes com pessoas de confiança é ótimo, fazer isso sempre, não!



Embora eu acredite em muitas coisas que a maioria das pessoas não levam a sério, essas mesmas coisas fazem parte do meu ser, me acompanham desde que eu nasci e não vai ter ninguém no mundo que possa me dizer se estou praticando certo ou errado, nem os deuses.



Pq tentar é a palavra chave, é a força motriz! E preciso voltar a tentar, colocar em prática ensinamentos que tomei na cara, sentir coisas que só eu sei o que é ou quem é, e principalmente, tornar a prática novamente constante. Essa é a meta de 2011.



Nessa minha caminhada espiritual, onde aprendi a seguir mais meus instintos que os livros e as leituras (não que eles não tenham me ensinado ou auxiliado), sei que é fazendo, colocando a mão na massa, que conquisto as coisas; esse fazer não se resume a montar um altar, orar a quem se acredita ou acender velas e fazer pedidos, esse fazer também tem a ver com a mente, com a vontade e principalmente com o saber pedir e o saber agradecer,  pq sim, tudo tem uma consequência, o Universo é feito de trocas, você goste ou não.



Agora com o Arthur no mundo, me preocupo com que tipo de ensinamento mágico/filosófico/religioso darei a ele, não é nada fixo ou rígido como qualquer religião dogmática do planeta, até pq não acredito que a religião salve alguém, nossos atos são o que conta no final; tem a ver com que valores mágicos e morais que quero passar para ele.



Valores como respeitar a natureza, as pessoas, os animais e suas energias, fazê-lo compreender que a mente e a vontade tem poder, passar os ensinamentos que recebi de minha família italiana (mesmo que não tenha convivido diretamente com eles em vida), da família italiana de meu marido (as coisas que ele sabe fazer e ouviu da mãe), da minha avó baiana e suas crendices afros e de meus pais (com a mistura esotérica, agnóstica, espírita e católica); ensinar as coisas que aprendi na Rosacruz e na HON, juntar com os do marido (ele com os gregos), mas também as coisas que já nasci sabendo e aquelas outras que descobri com a prática.



Me pego lembrando das conversas com minhas avós, sobre coisas de cozinha, de farinhas, de massas, de geladeiras, de ervas, de mandingas, de escritos, tábuas, papéis, velas, queima, cortes, tesouras, facas, resguardos, proteções, banhos e maldições. Fico pensando em quantas coisas deixamos passar, as mesmas coisas que quando lemos em certos livros, nos dão um click de "já ouvi isso antes". Leio e releio (atualmente) um livro velho, destroçado, de magias italianas brazucas, coisas do interior que tem extrema força pra mim.



Percebi que meu filho vai ter um ensino religioso diferente e sem fronteiras, sem paredes, sem instituição; vai aprender sobre Stregoneria, sobre Iemanjá, Menina Janaína, o mundo espiritual e suas divisões by Kardec, energias orientais, ensino Egípcio e Grego, esoterismo e afins, toda aquela fonte mista onde eu e o pai dele bebemos por toda a nossa vida até aqui.



E lendo e relendo esse texto, chego a conclusão que meu filho é muito sortudo por ter os pais que tem!

Então é isso!!! Novo espaço, novas idéias, novas experiências, novas descobertas; quem quizer passear comigo, só me dar a mão!

Postado originalmente em 31/01/11 e editado em 08/04/11.


Beijocas Enluaradas,
Kytanna

Duas Mães. Duas Bruxas, 3 Crias




Algo para jamais ser esquecido!



Oi! Somos Kytanna e Luciana.

Duas Bruxas-Mães, que se encontraram pelas estradas céleres da Internet faz já alguns anos, exatamente quase 11.

Sim! Tudo isso. E no tudo isso acompanhamos muita coisa nas vidas, nas nossas vidas, que foram se entrelaçando devagar, acompanhando a evolução de cada uma, a chegada de cada cria; que são 3!

Um menino lindo que chegou faz pouco tempo a esta Terra Mãe, o Arthur, filho da Kytanna; uma menina maravilhosamente mágica, a meiga Alícia, que costuma passear pela casa convidando a leituras de mão e Tarot, além de um poderoso menino chamado Andrés Felipe, que parece carregar consigo uma sabedoria mágica antiga, ambos filhos da Luciana.  

E assim nossas crias são família, por que se entendem primos, amam os tios e tias, participam da vida e do dia-a-dia das nossas casas, que apesar dos quilometros que as separam, são casas unidas.

Kytanna e Luciana se sentem irmãs, pois são irmãs de alma, mente e coração; com toda a dinâmica que isso implica, com amor, com corcondâncias e discordâncias, com dias claros e outros nem tanto, como irmãs costumam ser, mas que se comprometeram a jamais deixar perecer o amor de irmãs que souberam fazer nascer uma na outra.

E aqueles quilómetros já perderam espaço! Um encontro entre as casas já aconteceu e outro prestes está a ser realidade. 

Por que temos a dádiva de termos parceiros que também se gostam, que empatia entre eles criaram, assim a necessidade de atravessar a imensa Terra Brasilis não é apenas nossa, eles, nossos parceiros a sentem também, por que ambos amam essas nossas 3 crias como nossas. 

Não há ciúmes de mãe/pai, não há poréns. As 3 crias são amadas, por 2 pais e 2 mães!  Uma ponte de amor está estabelecida entre o Espírito Santo e o Maranhão.

Ambas ganhamos o pão de cada dia ensinando. Somos educadoras. Kytanna é Pedagoga, Luciana é Tradutora e Professora. Somos de nacionalidades diferentes, Ky é brasileira, Lú é colombiana e a vida felizmente nos uniu, mostrando mais uma vez que a distância não vence o destino e nem o amor.


Em nossos mundos, somos mulheres oraculares, circulares, oníricas e mágicas! E ali nesse maravilhoso mundo circular se deu nosso encontro, pois nossa fé é circular, é matríztica, o Sagrado Feminino foi o denominador comum que nos aproximou.


Sobre nossos credos, eles são pagãos, Kytanna professa o Kemetismo, Luciana é Theateísta - uma Feminista Diânica; e ambas somos e usamos o epíteto Bruxas com honra e seriedade. Rituamos em sintonias, em sincronias sob as Luas Cheias. Com Ela e Nela sentimos uma a outra.

Esperamos que nesse blog, possamos passar informações, reflexões, questionamentos e trocas de experiências com mães que como nós, abraçam e vivem o paganismo, que enxergam a vida por outro prisma, um que pode ser entendido como "alternativo" por muitos.

E aqui então será o espaço para nossos relatos familiares, cotidianos, mágicos, sagrados ou não.

Sejam bem-vind@s a nossa casa. Uma casa ampla com Caldeirões, Crias e Magia!

Beijos,
Kytanna e Luciana
 

Blog Template by BloggerCandy.com